Translate

28 de março de 2012

O que ensinar a seus filhos sobre crianças especiais

Traduzido por Andréa Werner, do blog “Lagarta Vira Pupa”
Por Ellen Seidman, do blog “Love That Max“


Eu cresci sem conhecer nenhuma outra criança com necessidades especiais além do Adam, um visitante frequente do resort ao qual nossas famílias iam todos os verões. Ele tinha deficiência cognitiva. As crianças zombavam dele. Fico envergonhada de admitir que eu zombei também; meus pais não faziam idéia. Eles eram pais maravilhosos, mas nunca pensaram em ter uma conversa comigo sobre crianças com necessidades especiais.
E, então, eu tive meu filho Max; ele teve um AVC no nascimento que levou à paralisia cerebral. De repente, eu tinha uma criança para quem outras crianças olhavam e cochichavam a respeito. E eu desejei tanto que seus pais falassem com elas sobre crianças com necessidades especiais.
Já que ninguém recebe um “manual de instruções da paternidade”, algumas vezes, pais e mães não sabem muito o que dizer. Eu entendo totalmente; se eu não tivesse um filho especial, eu também me sentiria meio perdida. Então, eu procurei mães de crianças com autismo, paralisia cerebral, síndrome de down e doenças genéticas para ouvir o que elas gostariam que os pais ensinassem a seus filhos sobre os nossos filhos. Considere como um guia, não a bíblia!
Pra começar, não tenha pena de mim
“Sim, algumas vezes, eu tenho um monte de coisas pra lidar — mas o que eu não tenho é uma tragédia. Meu filho é um menino brilhante, engraçado e incrível que me traz muita alegria e que me enlouquece às vezes. Você sabe, como qualquer criança. Se você tiver pena de mim, seu filho vai ter também. Aja como você agiria perto de qualquer outro pai ou mãe. Aja como você agiria perto de qualquer criança.”


— Ellen Seidman, do blog “Love That Max”; mãe do Max, que tem paralisia cerebral


Ensine seus filhos a não sentir pena dos nossos
“Quando a Darsie vê crianças (e adultos!) olhando e encarando, ela fica incomodada. Minha filha não se sente mal por ser quem ela é. Ela não se importa com o aparelho em seu pé. Ela não tem autopiedade. Ela é uma ótima garota que ama tudo, de cavalos a livros. Ela é uma criança que quer ser tratada como qualquer outra criança—independente dela mancar. Nossa família celebra as diferenças ao invés de lamentá-las, então nós te convidamos a fazer o mesmo.”


— Shannon Wells, do blog “Cerebral Palsy Baby”; mãe da Darsie, que tem paralisia cerebral


Use o que eles tem em comum
“Vai chegar uma hora em que o seu filhinho vai começar a te fazer perguntas sobre por que a cor de uma pessoa é aquela, ou por que aquele homem é tão grande, ou aquela moça é tão pequena. Quando você estiver explicando a ele que todas as pessoas são diferentes e que nós não somos todos feitos do mesmo jeito, mencione pessoas com deficiências também. Mas tenha o cuidado de falar sobre as similaridades também—que uma criança na cadeira de rodas também gosta de ouvir música, e ver TV, e de se divertir, e de fazer amigos. Ensine aos seus filhos que as crianças com deficiências são mais parecidas com eles do que são diferentes.”


— Michelle, do blog “Big Blueberry Eyes”; mãe da Kayla, que tem Síndrome de Down



Ensine as crianças a entender que há várias formas de se expressar
“Meu filho Bejjamin faz barulhos altos e bem agudos quando ele está animado. Algumas vezes, ele pula pra cima e pra baixo e sacode os braços também. Diga aos seus filhos que a razão pela qual crianças autistas ou com outras necessidades especiais fazem isso é porque elas tem dificuldades pra falar, e é assim que elas se expressam quando estão felizes, frustradas ou, algumas vezes, até mesmo por alguma coisa que estão sentindo em seus corpos. Quando Benjamim faz barulhos, isso pode chamar a atenção, especialmente se estamos em um restaurante ou cinema. Então, é importante saber que ele não pode, sempre, evitar isso. E que isso é, normalmente, um sinal de que ele está se divertindo.”


— Jana Banin, do blog “I Hate Your Kids (And Other Things Autism Parents Won’t Say Out Loud)”; mãe de Benjamin, que é autista


Saiba que fazer amizade com uma criança especial é bom para as duas crianças
“Em 2000, quando meu filho foi diagnosticado com autismo, eu tive muita dificuldade em arrumar amiguinhos para brincar com ele. Vários pais se assustaram, a maior parte por medo e desconhecimento. Fiquei sabendo que uma mãe tinha medo do autismo do meu filho ser “contagioso”. Ui. Treze anos mais tarde, sou tão abençoada por ter por perto várias famílias que acolheram meu filho de uma forma que foi tão benéfica para o seu desenvolvimento social. Fico arrepiada de pensar nisso. A melhor coisa que já ouvi de uma mãe foi o quanto a amizade com o meu filho foi importante para o filho dela! Que a sua proximidade com o RJ fez dele uma pessoa melhor! Foi uma coisa tão bonita de se dizer. Quando tivemos o diagnóstico, ouvimos que ele nunca teria amigos. Os amigos que ele tem, agora, adorariam discordar. Foram os pais deles que facilitaram essa amizade e, por isso, serei eternamente grata.”


— Holly Robinson Peete, fundadora (com o marido Rodney Peete) da Hollyrod Roundation; mãe do RJ, que é autista (é ele, na foto abaixo, com sua irmã Ryan)


Encoraje seu filho a dizer “oi”
“Se você pegar seu filho olhando pro meu, não fique chateada — você só deve se preocupar se ele estiver sendo rude, mas crianças costumar reparar umas nas outras. Sim, apontar, obviamente, não é super educado, e se seu filho apontar para uma criança com necessidades especiais, você deve dizer a ele que isso é indelicado. Mas quando você vir seu filho olhando para o meu, diga a ele que a melhor coisa a fazer é sorrir pra ele ou dizer “oi”. Se você quiser ir mais fundo no assunto, diga a ele que crianças com necessidades especiais nem sempre respondem da forma como a gente espera, mas, ainda assim, é importante tratá-las como tratamos as outras pessoas.”


— Katy Monot, do blog “Bird On The Street”; mãe do Charlie, que tem paralisia cerebral.


Encoraje as crianças a continuar falando
“As crianças sempre se perguntam se o Norrin pode falar, especialmente quando ele faz seu “barulhinho alto corriqueiro”. Explique ao seu filho que é normal se aproximar de outra criança que soa um pouco diferente. Algumas crianças podem não conseguir responder tão rápido, mas isso não significa que elas não tem nada a dizer. Peça ao seu filho para pensar no seu filme favorito, lugar ou livro—há grandes chances da outra criança gostar disso também. E a única forma dele descobrir isso é perguntando, da mesma forma que faria com qualquer outra criança.”


— Lisa Quinones-Fontanez, do blog “Autism Wonderland”; mãe do Norrin, que é autista


Dê explicações simples
“Algumas vezes, eu penso que nós, pais, tendemos a complicar as coisas. Usando alguma coisa que seus filhos já conhecem, algo que faça sentido pra eles, você faz com que a “necessidade especial” se torne algo pessoal e fácil de entender. Eu captei isso uns anos atrás, quando meu priminho me perguntou “por que o William se comunicava de forma tão diferente dele e de seus irmãos”. Quando eu respondi que ele simplesmente nasceu assim, a resposta dele pegou no ponto: “Ah, assim como eu nasci com alergias”. Ele sabia como era viver com algo que se tem e gerenciar isso para viver diariamente. Se eu tivesse dito a ele que os músculos da boca de William tem dificuldade em formar palavras, o conceito teria se perdido na cabeça dele. Mas alergia fazia sentido pra ele. Simplicidade é a chave.”


— Kimberly Easterling, do blog “Driving With No Hands”; mãe do William e da Mary, ambos com Síndrome de Down


Ensine respeito às crianças com seus próprios atos
“Crianças aprendem mais com suas ações que com suas palavras. Diga “oi” para a minha filha. Não tenha medo ou fique nervosa perto dela. Nós realmente não somos tão diferentes de vocês. Trate minha filha como trataria qualquer outra criança (e ganhe um bônus se fizer um comentário sobre o lindo cabelo dela!). Se tiver uma pergunta, faça. Fale para o seu filho sobre como todo mundo é bom em coisas diferentes, e como todo mundo tem dificuldades a trabalhar. Se todo o resto falhar, cite a frase do irmão de Addison: “bem, todo mundo é diferente!”.”


— Debbie Smith, do blog “Finding Normal”; mãe de Addison, que tem Trissomina 9


Ajude as crianças a ver que, mesmo crianças que não falam, entendem
“Nós estávamos andando pelo playground e a coleguinha da minha filha não parava de encarar o meu filho, que é autista e tem paralisia cerebral. Minha filha chamou a atenção da colega rapidinho: “Você pode dizer “oi” pro meu irmão, você sabe. Só porque ele não fala, não significa que ele não ouve você”. Jack não costuma falar muito, mas ele ouve tudo ao redor dele. Ensine aos seus filhos que eles devem sempre assumir que crianças especiais entendem o que está sendo dito, mesmo sem poderem falar. É por isso que eles não vão dizer “o que ele tem de errado?”, mas poderão até dizer “Como vai?”.”


— Jennifer Byde Myers, dos blogs “Into The Woods” e “The Thinking Person’s Guide To Autism”; mãe do Jack, que tem autismo e paralisia cerebral.


Inicie uma conversa
“Nós estávamos no children’s museum e um garotinho não parava de olhar para Charlie com seu andandor, e a mãe dele sussurrou em seu ouvido para não encarar porque isso era indelicado. Ao invés disso, eu adoraria que ela tivesse dito “esse é um andador muito interessante, você gostaria de perguntar ao garotinho e à sua mãe mais a respeito dele?”.”


— Sarah Myers, do blog “Sarah & Joe (And Charlie Too!)”; mãe do Charlie, que tem paralisia cerebral


Não se preocupe com o constrangimento
“Vamos combinar de não entrar em pânico caso seu filho diga algo embaraçoso. Você sabe, tipo se nós estivermos na fila do Starbucks e o seu filho olhar para a Maya e pra mim e disser algo como “Eca! Por que ela está babando?” ou “Você é mais gorda que a minha mãe”. Embora esses não sejam exemplos ideais de início de conversa, eles mostram que o seu filho está interessado e curioso o suficiente para fazer contato e perguntar. Por favor, não gagueje um “mil desculpas” e arraste seu filho pra longe. Vá em frente e diga baixinho o pedido de desculpas, se você precisar, mas deixe-me aproveitar a oportunidade: vou explicar a parte da baba e apresentar Maya e contar da paixão dela por crocodilos, e você pode ser a coadjuvante no processo, dizendo “lembra quando nós vimos crocodilos no zoológico?” ou coisa parecida. Quando chegarmos ao caixa, o constrangimento vai ter passado, Maya terá curtido conhecer alguém novo, e eu terei esperanças de que seu filho conseguiu ver Maya como uma criança divertida, ao invés de uma “criança que baba”. (E eu irei simplesmente fingir que não ouvi a parte do “mais gorda que a minha mãe”).”

— Dana Nieder, do blog “Uncommon Sense”; mãe da Maya, que tem uma síndrome genética não diagnosticada

Gostou? Segue o link para o texto original em inglês: http://blogs.babble.com/babble-voices/ellen-seidman-1000-perplexing-things-about-parenthood/2012/02/29/what-to-teach-your-children-about-kids-with-special-needs/

Fonte: http://www.inclusive.org.br/ Publicado em 11 de março de 2012

27 de março de 2012

Texto maravilhoso escrito por um garoto de 12 anos

Hoje me emocionei muito ao receber de uma mãe muito especial o texto que o seu filho (autista) de 12 anos escreveu.
O Texto contava uma estória linda onde o personagem principal era excluído do seu mundo por ser diferente... Chorei muito com a beleza das suas palavras e sentimentos envolvidos. Percebi que no fundo, somos nós, a sociedade que os exclui e não eles que fogem para outro mundo. Ficou muito claro quando ele coloca que cada um é importante da sua maneira e que todos podem contribuir e ser felizes juntos sem se importar com as diferenças.
Acho que foi descoberto um grande talento da nossa dramaturgia. Parabéns Rafael!

Divulguem - 2 de Abril Dia Internacional de conscientização do autismo

18 de março de 2012

Crianças portadoras de síndrome de down ou autismo podem sim ser artistas

Em palestra realizada no CEU Paraisópolis, o artista Israelense, Yaron Peretz, falou sobre a importância da arte como forma de expressão para crianças autistas e portadoras de síndrome de down

Hoje, em sintonia com o dia da Jornada Pedagógica, evento realizado pelas escolas da rede de ensino Municipal do Estado de São Paulo, o teatro do CEU Paraisópolis abriu as portas para receber o artista israelense Yaron Peretz.

Fruto de uma parceria entre a União dos Moradores e o consulado de Israel, o artista em algumas palavras que eram traduzidas por sua esposa Dayse Peretz, brasileira, explicou, demostrou e provocou a platéia, formada especialmente, por educadores, pedagogos e professores a interagirem com o universo dos portadores de necessidades especiais, autismo e síndrome de down.
Yaron trabalha em Israel com um grupo de 6 artistas com essas necessidades, de acordo com a sua experiência, essas crianças encontram no desenho uma maneira de transmitirem o que pensam, ou seja, é a linguagem que usam. E foi a semelhança entre os traços que eles fazem e os de grandes artistas que o levou a acreditar que eram sim capazes.
“O humor deles ocila muito”, explicou o artista, alertando a platéia de que é fundamental que a pessoa seja calma, se quiser trabalhar com esse público. O stress será transmitido para eles, por isso é necessário que o ambiente os acalmem. Em resposta a uma pergunta se ele usava música como instrumento de trabalho, ele foi preciso. “ Eu mesmo canto”.
Ao contrário do que foi abordado por educadores presentes sobre a dificuldade que se tem em trabalhar com as famílias dessas crianças, Dayse disse que em Israel, os pais não tem vergonha dos seus filhos por serem portadores de algum tipo de necessidade. Diante disso, O acessor de imprensa do consulado israelense propôs uma oficina na qual Yaron interagiriam com as famílias; já os educadores presentes se comprometaram a darem continuidade no discurso através de uma rede de convivência na pagína do Facebook.
De acordo com Dayse, é a primeira vez que eles estão trabalhando com o projeto em comunidades, e que esperam bons resultados. Quando questionado a respeito dos que trabalham com crianças possuírem ou não o dom para lidar com portador de algum tipo de necessidade especial Yaron foi bem calro: “ Basta ter vontade”.
A riqueza do trabalho desenvolvido pelos artistas israelenses podia ser notada em alguns desenhos trazidos por Yaron , e, esses foram expostos em cima do palco para quem quisesse observar de perto, algo feito por poucos.


Fonte:
Rádio Novaparaisópolis
Por: Flaviane Fernandes

15 de março de 2012

DIA 1 DE ABRIL PRAIA DO LEBLON – CAMINHADA E COMEMORAÇÃO DO DIA MUNDIAL DA CONSCIENTIZAÇÃO DO AUTISMO NO BRASIL


O Mundo azul convida toda sociedade do Rio de Janeiro a participar da caminhada na Praia do Leblon dia 1 de abril de 2012 com concentração ás 09:00hs proximo ao canal do leblon em comemoração ao Dia Mundial da Conscientização do Autismo no Brasil.
É muito importante a presença e a participação de todos,A UNIÃO FAZ A FORÇA,JUNTOS SOMOS FORTES.
A presença da familia,amigos,parentes e representantes de lideranças do Autismo no Estado do RIO de Janeiro é fundamental.Vamos comemorarmos ás conquistas que são poucas mas avançamos muito no ano de 2011.
Vamos fazer uma grande festa ,todos de Azul na Praia do Leblon .
Ilton Caruso.
Grupo de Pais – O BRASIL PRECISA CONHECER O AUTISMO

14 de março de 2012

02/04 - Eventos 2012




Em seguida, eventos de PORTUGAL. Demais eventos ao redor do mundo podem ser acessados no site WAAD

GO - ANÁPOLIS

* Estarão iluminados de azul o Monumento Centenário, a prefeitura, Caça Mirrage na praça Americano do Brasil, pontos da Praça Ipiranga e a Igreja de Santana, dia 2/abril.

RJ - RIO DE JANEIRO


* Cristo Redentor estará iluminado de azul no dia 2/abril, tendo uma celebração simbólica do dia 2/abril, segunda-feira - Organização: Adefa (RJ) e Autismo & Realidade

* Estará iluminado de azul também o prédio da OAB/RJ, dia 2/abril

* I Jornalda Científica Mundo Azul: compartilhando atualizades e experiências sobre autismo, dia 31/março, no teatro do CEC - realização: blog Mundo Azul (folder)

RJ - VOLTA REDONDA

* Estarão iluminados de azul a Prefeitura, a Secretaria Munic. de Educação, a Sec. Mun. de Saúde, Sec. Mun. de Ação Comunitária, Câmara, a Escola E. Profª Dayse Mansur (para crianças autistas), o Sítio-Escola SEMEIA (para adolescentes e adultos autistas), o CAPS II Belvedere, o Chafariz da Rodoviária, o Chafariz da Praça Brasil, a Torre do Moinho no Aterrado e o UFF Campus Aterrado, de 28/março a 4/abril - Organização: Apadem
* Será realizada a 3ª Semana de Conscientização do Autismo de Volta Redonda, de 28/março a 4/abril - Realização: Apadem

RS - PORTO ALEGRE

* Estarão iluinados de azul a chaminé da Usina do Gasômetro e o Monumento do Laçador, na semana de 2/abril - Realização: Autismo e Vida

* Concerto da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, dia 3/abril - Realização: Autismo e Vida

* Tarde de Estudos, dia 31/março: AMA-RS

* Concentração no Parque da Redenção, dia 1/abril, a partir das 15h00, com a distribuição de panfletos informativos e uma caminhada em seguida - Realização: AMA-RS

SP - SÃO PAULO

* Ponte Estaiada, Monumento às Bandeiras, Arco do Anhangabaú/Viaduto do Chá, Assembleia Legislativa Estadual e FIESP estarão iluminados de azul na semana de 1 e 2/abril - Organização: Autismo & Realidade

* Caminhada em prol do Autismo no domingo 1/abril, às 8h00, partindo da Ponte Estaiada (gratuito, quem puder faz uma doação espontânea) - Organização e realização: Autismo & Realidade

* Acontece o 3° Seminário Paulista sobre o Transtorno do Espectro do Autismo, nos dias 30 e 31/março, na Universidade Presbiteriana Mackenzie, entrada gratuita (contato: mpa@movimentoproautista.com.br Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. ) - Organização e realização: Defensoria Pública do Estado de São Paulo e Movimento Pró-Autista

* Lançamento da terceira edição da Revista Autismo em evento no Parque do Trote (Vila Guilherme), com atendimento odontológico com triagem e encaminhamento gratuiro para autistas, brinquedos infláveis, palhaços e passeio a cavaldo, dia 31/março, de 8h00 a 12h00 - Realização: Instituto Lumi e Revista Autismo

* Campanha Nacional pela Assistência e pelos Direitos da Pessoa com Autismo, 6 e 7/abril, no auditório do Hospital Cruz Azul - Realização: AMA-SP - Apoio: Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, SNPDP

SP - ATIBAIA

* Estarão iluminados de azul: o Hospital Novo Atibaia (HNA), a clínica AMHA Odonto, o Fórum de Justiça, o prédio da Viação Atibaia SP, a Rádio Mix FM, nos dias 1 e 2/abril - Organização: grupo aMAIS, da ONG Cosnciência Solidária

* No auditório do Hospital Novo Atibaia, haverá o evento de lançamento da terceira edição da Revista Autismo, e palestra com Paiva Junior sobre o "Dia Mundial de Conscientização do Autismo", dia 30/março, 19h45 - Realização: grupo aMAIS, da ONG Cosnciência Solidária

SP - SOROCABA

* Será realizado o 1º Encontro do Autismo , dentro do 1º Simpósio de Estudos sobre a Inclusão da Pessoa com Deficiência - Realização: AMAS, Câmara Municipal e a UNIESP

OUTROS PAÍSES - Demais eventos ao redor do MUNDO podem ser acessados no site WAAD (World Autism Awareness Day)

PORTUGAL

BRAGA - BRAGA

* Tertúlia subordinada ao tema: “Autismo: Abordagens e Metodologias” e divulgação do “Manual de Acolhimento a Pais e outros cuidadores de crianças com diagnóstico ou suspeita de PEA”, 31/março, 10h00 - Realização: AIA

* Caminhada Solidária organizada pela SchoolEventos e apoiada pelo Pingo Doce e Autarquia de Braga, 1/abril

* Serão iluminadas de azul a Fonte Luminosa e a Arcada, em 2/abril - Apoio: Autarquia Bracarense

PORTO - PENAFIEL

* No Largo do Conde Torres Novas, Caminhada Pelo Autismo, Playlife e Animasport (8h30) e Entrega do Prémio "Amantes de Saturno" (19h00), com Jantar/Convívio, dia 1/abril - Organização: Eduardo Pizarro/Carla Fernandes "Os Amantes de Saturno"

PORTO - PORTO

* Caminhada e distribuição de panfletos, partida às 10h30, em frente ao Edifício Transparente no Porto, 1/abril - Realização: APEE Autismo

LEIRIA - CALDAS DA RAINHA (Foz do Arelho)

* Caminho Azul, a pé, de bicicleta, de trotinete, acessível a todos... a única condição uma peça de roupa Azul, dia 1/abril, 10h30 a 12h30 - Organização: Maria Viana

SETÚBAL - ALMADA

* Encontro e apresentação dos resultados preliminares do estudo “As crianças e jovens com P.E.A. no Distrito de Setúbal, uma abordagem pelos direitos humanos e qualidade de vida”, 31/março, 15h00 - Realização: APPDA Setúbal

Mais informações sobre os eventos em Portugal, estão no Blog Autismo em Portugal

8 de março de 2012

Adaptações do Livro de História com simbolos

Você gosta de ler uma história com o seu filho, mas às vezes sente dificuldade em fazer?

Atualmente existem livros de histórias que são adaptados com símbolos pictográficos de comunicação para pessoas que têm problemas de linguagem e comunicação.

A leitura apoia-se, para além do texto e da ilustração, num sistema gráfico de comunicação utilizado internacionalmente – SPC – Símbolos Pictográficos de Comunicação (Mayer-Johnson). Este sistema baseia-se em imagens (pictogramas) muito simples, acompanhadas da palavra escrita, referente ao seu significado.

A nossa dica: enquanto lê a história aponte ou ajude a criança apontar para cada símbolo. Converse com a Fonoaudióloga do seu filho sobre atividade de Contar uma história




Livro: “O Tomas está crescido“

(Destinadas às crianças que estão a desenvolver o controlo dos esfíncteres)
http://neetrissomia.files.wordpress.com/2009/12/o-tomas-esta-crescido.pdf
Fonte: http://uadarque.wordpress.com/material-de-apoio/livros-2/

Somos todos autistas, a gradação está nos rótulos

Quando me recuso a ter um autista em minha classe, em minha escola, alegando não estar preparado para isso, estou sendo resistente à mudança de rotina.Quando digo a meu aluno que responda a minha pergunta como quero e no tempo que determino, estou sendo agressivo.Quando espero que outra pessoa de minha equipe de trabalho faça uma tarefa que pode ser feita por mim, estou a usando como ferramenta.Quando, numa conversa, me desligo, "viajo", estou olhando em foco desviante, estou tendo audição seletiva.Quando preciso desenvolver qualquer atividade da qual não sei exatamente o que esperam ou como fazer, posso me mostrar inquieto ansioso e até hiperativo.Quando fico sacudindo meu pé, enrolando meu cabelo com o dedo, mordendo a caneta ou coisa parecida, estou tendo movimentos estereotipados.Quando me recuso a participar de eventos, a dividir minhas experiências, a compartilhar conhecimentos, estou tendo atitudes isoladas e distantes.Quando nos momentos de raiva e frustração, soco o travesseiro, jogo objetos na parede ou quebro meus bibelôs, estou sendo agressivo e destrutivo.Quando atravesso a rua fora da faixa de pedestres, me excedo em comidas e bebidas, corro atrás de ladrões, estou demonstrando não ter medo de perigos reais.Quando evito abraçar conhecidos, apertar a mão de desconhecidos, acariciar pessoas queridas, estou tendo comportamento indiferente.Quando dirijo com os vidros fechados e canto alto, exibo meus tiques nervosos, rio ao ver alguém cair, estou tendo risos e movimentos não apropriados.Somos todos autistas. Uns mais, outros menos. O que difere é que em uns (os não rotulados), sobram malícia, jogo de cintura, hipocrisias e em outros (os rotulados) sobram autenticidade, ingenuidade e vontade de permanecer assim.

Fonte: Rede SaciAutora: Scheilla Abbud Vieira

Eventos programados para 2012 no BRASIL - 2 de Abril

RJ - RIO DE JANEIRO

* OFICIALMENTE CONFIRMADO: Cristo Redentor estará iluminado de azul nos dias 1 e 2/abril, tendo uma celebração simbólica do dia 2/abril, segunda-feira - Organização: Adefa (RJ) e Autismo & Realidade

* I Jornalda Científica Mundo Azul: compartilhando atualizades e experiências sobre autismo, dia 31/março, no teatro do CEC - realização: blog Mundo Azul (folder)

RJ - VOLTA REDONDA

* Estarão iluminados de azul a Prefeitura, a Secretaria Munic. de Educação, a Sec. Mun. de Saúde, Sec. Mun. de Ação Comunitária, Câmara, a Escola E. Profª Dayse Mansur (para crianças autistas), o Sítio-Escola SEMEIA (para adolescentes e adultos autistas), o CAPS II Belvedere, o Chafariz da Rodoviária, o Chafariz da Praça Brasil, a Torre do Moinho no Aterrado e o UFF Campus Aterrado, de 28/março a 4/abril - Organização: Apadem
RS - PORTO ALEGRE

* Estarão iluinados de azul a chaminé da Usina do Gasômetro e o Monumento do Laçador, na semana de 2/abril - Realização: Autismo e Vida

* Concerto da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, dia 3/abril - Realização: Autismo e Vida

* Concentração no Parque da Redenção, dia 1/abril, a partir das 15h00, com a distribuição de panfletos informativos e uma caminhada em seguida - Realização: AMA-RS

SP - SÃO PAULO

* Ponte Estaiada, Monumento às Bandeiras, Arco do Anhangabaú/Viaduto do Chá, Assembleia Legislativa Estadual e FIESP estarão iluminados de azul na semana de 1 e 2/abril - Organização: Autismo & Realidade


* Caminhada em prol do Autismo no domingo 1/abril, às 8h00, partindo da Ponte Estaiada (gratuito, quem puder faz uma doação espontânea) - Organização e realização: Autismo & Realidade

* Acontece o 3° Seminário Paulista sobre o Transtorno do Espectro do Autismo, nos dias 30 e 31/março, na Universidade Presbiteriana Mackenzie, entrada gratuita (contato: mpa@movimentoproautista.com.br Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. ) - Organização e realização: Defensoria Pública do Estado de São Paulo e Movimento Pró-Autista

SP - ATIBAIA

* Estarão iluminados de azul: o Hospital Novo Atibaia (HNA), a clínica AMHA Odonto, o Fórum e o Centro de Convenções, nos dias 1 e 2/abril - Organização: grupo aMAIS, da ONG Cosnciência Solidária

OUTROS PAÍSES - Demais eventos ao redor do MUNDO podem ser acessados no site WAAD (World Autism Awareness Day)

PORTUGAL - Em breve Informações sobre eventos para 2/abril

Fonte: Revista Autismo

Escola - Palmo e Meio

O Lucas iniciou este ano na Escola Palmo e Meio. Ele está adorando! Desde o primeiro dia pediu para entrar e se sente super à vontade no ambiente. Às vezes fica um pouco nervoso por querer algo e não conseguir dizer, mas é rápido e a cada dia está diminuindo esta ansiendade. Já colou papéis, desenhou, pintou, montou joguinhos, assistiu filme, cantou, dançou, enfim... Está fazendo todas as atividades e em algumas com bastante interesse. Hoje a professora deixou um recado de que está socializando melhor e aceitou ficar no grupo brincando e fazendo atividades. UHUH!!! Sabemos que a socialização é muito difícil, por isso comemoramos tanto.
Ele também está sendo acompanhado por uma psicopedagoga que faz o link com a escola e está dando super certo.
Este ano teremos muitas surpresas boas!!!
Olha o rapazinho pronto para ir á escola...Lindooooo demais!!!rs

1 de março de 2012

Centros de atendimento no Estado do Rio de janeiro - Vitória !!!

http://www.alerj.rj.gov.br/common/noticia_corpo.asp?num=41694

Crianças e adolescentes com deficiência mental e autismo poderão ganhar atendimento de ponta no Estado. A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) acaba de garantir, por unanimidade, com 53 votos favoráveis, que o projeto de lei 689/11, vetado pelo governador, seja transformado em lei. A derrubada do veto tirará do papel os Centros de Reabilitação Integral voltados para estes menores. A proposta, do deputado Xandrinho (PV), prevê a criação de oito centros, em diferentes regiões do estado, com instalações físicas, equipamentos e área de reabilitação para atendimento de cada um dos casos. O autor salienta que o atendimento beneficiará famílias que não podem arcar com um atendimento adequado, muito caro. “E são crianças que precisam desse apoio para ajudá-las a desenvolver suas potencialidades. E estes tratamentos são muito caros”, salientou Xandrinho.
Os centros deverão dispor de atendimento médico neurológico, psiquiátrico, pediátrico e de acompanhamento pedagógico, psicológico, fonoaudiológico, fisioterapêutico e terapêutico ocupacional. Também estão previstos no texto os cuidados de enfermagem, atendimento odontológico e o serviço social.
As cidades que receberão os centros são Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense; Itaperuna, na Região Noroeste; Campos dos Goytacazes, na região Norte; Cabo Frio, na Região das Baixadas Litorâneas; Petrópolis, na Serrana; Volta Redonda, na Centro Sul; Resende, na região do Médio Paraíba e Angra dos Reis, na Costa Verde. A principal fonte de custeio será o Sistema Único de Saúde (SUS), mas o projeto autoriza a celebração de convênios entre Estado, Governo federal, municípios e iniciativa privada. A proposta será promulgada nos próximos dias.
(texto de Fernanda Porto)

DIA 28 FEV 12 - DIA DA VITÓRIA EM FAVOR DOS AUTISTAS DO RJ.

Estou postando abaixo uma mensagem muito comemorada que eu recebi de um pai muito guerreiro em favor dos direitos dos autistas. Fico muito emocionada e grata por toda a sua luta que não é apenas pelo seu filho, mas em favor de todos nós. Obrigada!!!

"DERRUBAMOS O VETO DO GOVERNADOR SÉRGIO CABRAL AO PROJETO DE LEI Nº 689/11. PARABÉNS A TODOS QUE ACREDITARAM, QUE ORARAM, QUE CHORARAM, MAS, QUE BATALHARAM COMO GUERREIROS EM DEFESA DE SEUS FILHOS, SOBRINHOS, AFILHADOS E AMIGOS COM AUTISMO!!! V I T Ó R I A ! ! !

PRECISÁVAMOS DE 37 VOTOS, CONSEGUIMOS 57!!

DIA 28 FEV 12, DIA DA VITÓRIA EM FAVOR DOS AUTISTAS DO RJ.

ULISSES"

ESCOLA DE PAIS - Cora Corautista

Divulgando...

Dia 24 de março
Auditório 13 UERJ
ENTRADA FRANCA, MAS É NECESSÁRIO INSCREVER-SE NO SITE: www.corautista.org
Palestrantes confirmados:

Izabel Moura
Aline Karibete
Claudia Christina Guedes
Barbara Parente
temas abordados:
Avd´s, desfralde,
Como lidar com comportamentos inadequados
superar a dor
Direitos dos autistas e muito mais...
 
Desenvolvido por MeteoraDesign.Blogspot.com | Contato