Translate

24 de janeiro de 2011

Natação e autismo

Publicado em 18 de fevereiro de 2009   |   Fonte: Fernanda Gonçalves

Natação para autistas

O autismo é um transtorno global do desenvolvimento de acordo com o CID-10 que é o Código Internacional de Doenças. Manifesta-se antes dos três anos. Segundo a Associação Americana de Autismo (ASA-American Society for Autism) a cada mil nascimentos ocorrem dois casos.
A pessoa autista apresenta dificuldades em interação social, na comunicação e atenção restrita, assim como, movimentos repetitivos. O trabalho com a criança autista não é fácil, pode-se dizer que é um desafio, porém não é impossível de ser realizado e os resultados são perceptíveis e fantásticos de se acompanhar. Desde crianças, assim como as outras, necessitam e devem ter estimuladas as percepções, o desenvolvimento motor, o cognitivo já que podem apresentar deficiência mental associada, assim como o contrário é verdade. Existem casos de autistas superdotados.
A natação é uma das atividades físicas que desenvolve um trabalho corporal completo. Sendo assim, oferece possibilidades de estímulos e desenvolvimento necessários à pessoa autista. Através de músicas, brinquedos e demais objetos utilizados em aula, claro que cada um no tempo e exercício certo, fica mais fácil para conseguir sua atenção e executar um trabalho excelente com ele, visto que, uma das dificuldades do autista é a organização espaço temporal.
Para exemplificar, como as aulas de natação influenciam na percepção espaço tempo do autista, em seu primeiro dia de atividade o professor mostra ao aluno o local onde os dois irão nadar. Ensina a ele por onde e como entrar e/ou sair, utiliza os objetos para o desenvolvimento de cada exercício e incentiva-o a guardar cada um em seu local. Esta é uma forma de organização que começa dar um norte ao aluno. Uma vez gravadas estas informações o professor precisa tomar cuidado com mudanças futuras.
Então, não devemos encarar a natação como simplesmente técnicas de nado, pois ela engloba muito mais do que isto. Há a preocupação da adaptação ao meio líquido, o desenvolvimento motor de maneira lúdica, o nado de sobrevivência, sem falar da fonte de conhecimento corporal que esta atividade física é. A criança irá aprender a se deslocar pela piscina e terá certa independência na água refletindo assim no seu dia-a-dia. O trabalho todo feito com o autista precisa ter o objetivo de desenvolver o máximo a independência da criança com este transtorno global.
É preciso salientar a importância do trabalho olho no olho com o autista, pois ele apresenta déficit de atenção e se o professor não se fizer ser entendido, seu esforço de nada adiantará. Uma vez conseguido com que o aluno perceba você, ele provavelmente executará todas as atividades proposta. Este é um momento de grande conquista e avanço para ele. Professores e família, esta mais ainda precisa vibrar, participar e entender que qualquer movimento que ele consiga fazer, por mais simples que seja já é um grande passo e todos devem partilhar disto. O simples ato de mergulhar o nariz já é uma grande realização para esta criança. Feito este merecedor de aplausos e incentivos. Incentivo! Esta é uma das maneiras de se reforçar o quão seu aluno está indo bem e conseguir atingi-lo cada vez mais. Ao contrário do que muitos em nossa sociedade pensam, o autista tem sentimentos sim, mas encontra uma grande dificuldade em expressa-los. E assim como toda criança, gosta de ser elogiado e percebe quando fez algo certo ou “decepcionante”.
A natação, além de todos os benefícios motores e cognitivos trabalha também o lado social da criança. O autista não consegue abordar as pessoas com a mesma naturalidade que nós. Nesta atividade como se faz em um meio que a princípio o aluno não conhece, ele é obrigado a estabelecer uma relação de confiança com o professor. (Claro que o professor terá que se esforçar para conseguir esta relação). Sem contar que estará cercado de outras pessoas também praticantes ao mesmo tempo em que ele e muitas vezes estes “coleguinhas” irá abordá-lo em aula, sem muito sucesso inicialmente, mas alcançando algum resultado futuro.
Outra função da natação é a de atividade relaxante. O autista pode apresentar crises de auto agressão ou agressão aos outros. Mas isto acontece somente se for irritado ou ocorrer mudanças bruscas em sua rotina. Nas aulas de natação este aluno terá oportunidade de aliviar suas tensões, pois por si só a água já é prazerosa, com as práticas realizadas de forma lúdica e contínua o resultado é melhor ainda. Situações de relaxamento que podem ocorrer em aula: tocar, deitar, deslizar, mergulhar, jogar água para cima, brincar de bater na água para fazer com que espirre por todo o lado.
Enfim, é uma prática esportiva que trás inúmeros benefícios a clientela autista, porém ainda não é de conhecimento de todos. E não podemos deixar que estas pessoas sejam privadas de algo tão prazeroso e importante a elas. Pois isto ocorre somente por nossa sociedade ainda não ter conhecimento destas informações tão necessárias até mesmo para evitar a segregação ou a super – proteção destas pessoas que em ambos os casos prejudicam o desenvolvimento global delas.
(*) Fernanda Gonçalves de Sousa é professora da academia Aquário Natação e Unic. Formada em Educação Física e especialista em educação especial e inclusão.

2 comentários:

ricardo condado disse...

Bom dia professora!

estou a tirar um mestrado com o tema "NEE: a importância do meio aquático em crianças com autismo" mas ainda não encontrei livros sobre este tema. será que me pode ajudar, o meu email é jorinho13@gmail.com, se souber de alguma coisa agradecia que me contactasse

Danielle Ribeiro disse...

Boa Tarde Professora, sou Professora em uma academia bem pequena e tenho dois autistas irmãos, o mais velho consegue olhar nos olhos e se comunicar perfeitamente, mas o mais novo não. nunca tive problemas com eles, mas tive que me ausentar e o mais novo esta tendo crises, como devo agir quando voltar?

 
Desenvolvido por MeteoraDesign.Blogspot.com | Contato